UM ANO DA OPERAÇÃO FRATERNOS: RELEMBRE O MAIOR ESQUEMA DE CORRUPÇÃO DO EXTREMO SUL DA BAHIA

0
152

No dia 07 de novembro de 2017, um esquema de corrupção estourava na região extremo sul baiano, envolvendo os prefeitos de Eunápolis, Robério Oliveira, sua esposa, Cláudia Oliveira, de Porto Seguro e o irmão dela, Agnelo Santos, governante da cidade de Santa Cruz Cabrália, todos do PSD.

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) participou naquela oportunidade da Operação Fraternos, que visou desarticular organização criminosa que desviava recursos públicos da educação das três prefeituras. A ação foi realizada em parceria com a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com as investigações, grupo de empresas, cujos donos eram integrantes de uma mesma família ou ex-funcionários, fraudavam licitações. As entidades simulavam competição entre si para vencer licitações milionárias de prefeituras baianas, revezando-se também nas vitórias dos certames. Os contratos fraudados somam cerca de R$ 200 milhões.

Os recursos são oriundos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate), do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e de convênios diversos para execução de obras.

Em um dos casos investigados, constatou-se que uma das empresas do esquema tinha como sócio ex-funcionário de outra empresa do grupo criminoso, que teria investido R$ 500 mil reais na integralização do capital. Após apuração, foi descoberto, no entanto, que a renda mensal do ex-funcionário na época era de apenas R$ 800,00.

Os investigados deverão responder pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de capitais.  Robério, Cláudia e Agnelo foram afastados dos cargos por decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Foram cumpridos 42 mandados de busca e apreensão, 21 de prisão temporária e 18 de condução coercitiva. As ações também foram executadas em cidades nos estados da Bahia, São Paulo e Minas Gerais, com a participação de cerca de 250 policiais federais e 25 auditores da CGU.

Por redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here