O USO DE FREQUENCÍMETRO NO ESPORTE É ÚTIL?

Cardiologista comenta a importância do equipamento para o desempenho do atleta e, principalmente, verificação dos limites médicos e fisiológicos de cada um

0
109
Foto: iStock Getty Images

Volta e meia esportistas e atletas perguntam se é preciso usar um frequencímetro para correr ou praticar algum outro esporte. Esse aparelho registra os batimentos cardíacos pelo contato da artéria radial (que passa na região lateral do pulso) com um sensor existente na base de um relógio com múltiplas funções. Isto pode ser pelo tempo que se quiser, porém é importante durante o período da atividade física. Servirá para mostrar a frequência cardíaca (FC) instantânea.

Ao vermos a FC atingida, saberemos se estamos próximos do alvo para menos ou para mais, e assim o que se deverá fazer para alcançar o teto ideal numa atividade física regular. Temos limites médicos e limites fisiológicos desses batimentos cardíacos, números muito utilizados tanto nos treinos como nas próprias competições.

Uso de frequencímetro se difundiu entre os praticantes de atividades físicas (Foto: IStock)

A utilização desses aparelhos veio facilitar a preparação física como também a prevenção de acidentes médicos. A maioria dos modelos existentes tem chips e programas inteligentes para o acompanhamento fisiológico detalhado instantâneo digital do consumo indireto de oxigênio, do gasto de calorias e outras muitas outras funções. Recentemente estão se estudando equipamentos que registram partes de um eletrocardiograma, o que mostra o desenvolvimento a que chegaremos. Para certas arritmias, sem dúvida será muito útil.

Sua utilização inicial só pelos atletas já extrapolou o que se conhecia, e seu uso na reabilitação cardiovascular de cardiopatas tem sido um poderoso auxiliar durante os exercícios físicos programados para recuperar um cardíaco. Muitos problemas médicos poderão ser evitados se a pulsação indicada pelo seu médico for mantida durante um treinamento físico.

A utilização desses aparelhos veio facilitar a preparação física como também a prevenção de acidentes médicos. A maioria dos modelos existentes tem chips e programas inteligentes para o acompanhamento fisiológico detalhado instantâneo digital do consumo indireto de oxigênio, do gasto de calorias e outras muitas outras funções. Recentemente estão se estudando equipamentos que registram partes de um eletrocardiograma, o que mostra o desenvolvimento a que chegaremos. Para certas arritmias, sem dúvida será muito útil.

Sua utilização inicial só pelos atletas já extrapolou o que se conhecia, e seu uso na reabilitação cardiovascular de cardiopatas tem sido um poderoso auxiliar durante os exercícios físicos programados para recuperar um cardíaco. Muitos problemas médicos poderão ser evitados se a pulsação indicada pelo seu médico for mantida durante um treinamento físico.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com ou da Super 98,5 FM.

 

Formado em medicina pela FM de Sorocaba PUC-SP, Doutor em Cardiologia pela FMUSP, chefe da seção CardioEsporte do Instituto Dante Pazzanese Cardiologia, especialista por concurso em Cardiologia e Medicina do Esporte, coordenador da Clínica CardioEsporte do HCor, CRM SP 15715, Prêmio Jabuti de Literatura Ciência e Saúde (Foto: EuAtleta)
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here