ACORDO ENTRE PREFEITURA E MINISTÉRIO PÚBLICO DEFINE USO DOS PRECATÓRIOS DO FUNDEF

0
397

Um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) assinado entre a prefeitura da cidade de Iuiú, no sudoeste da Bahia na microrregião de Guanambi, e o Ministério Público Federal (MPF) serve de referência para a polêmica questão do uso do dinheiro dos precatórios do Fundef, conforme entendimento do órgão fiscalizador.

ITABELA

A APLB podia tomar o TAC feito em Iuiú como exemplo claro de que a tentativa de incorporar o dinheiro dos precatórios aos salários dos professores e demais quadro da Educação municipal não é legal e por isso não poder ser feita pelo prefeito.

No referido TAC, a prefeitura de Iuiú fica:

1 – Proibida de usar a verba dos precatórios para custar despesas não ligadas a Educação;

2 – Ratear, dividir ou repartir a verba entre profissionais do magistério da Educação Básica em efetivo exercício na rede pública, com o objetivo de atingir o patamar mínimo de 60% previsto na Lei que regulamenta o Fundeb;

3 – Em caso de descumprimento do acordo, o prefeito deverá pagar multa de R$ 1 mil por dia, podendo, ainda, ser responsabilizado nas áreas penal e civil. Caso os recursos sejam utilizados em finalidades diversas de Educação, o gestor deverá ressarcir o erário com recursos próprios.

PONTO FINAL

O Ministério Público Federal, portanto, deixa bem claro que a verba dos precatórios se destina, exclusivamente, para manutenção e desenvolvimento da Educação Básica pública, sem incluir aí o pagamento de salários.

Fonte: Bahia40graus.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here