Acordo entre Odebrecht e governo sobre Cerb foi coordenado por Rui Costa, aponta delator

0
96

Sem ser citado formalmente pela Procuradoria Geral da República após o acordo de colaboração premiada dos ex-executivos do Grupo Odebrecht, o governador Rui Costa (PT) teria sido coordenador do acordo entre a empresa e o governo do Estado para resolução do litígio judicial envolvendo a Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (Cerb). A informação consta no depoimento do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, utilizado para encaminhar o pedido de autorização de inquérito remetido para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região contra o ex-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Jaques Wagner. Segundo Melo Filho, um acordo celebrado entre André Vital, ex-diretor superintendente, Benedicto Júnior, ex-diretor da Odebrecht Infraestrutura, e Jaques Wagner condicionava o repasse de cerca de R$ 30 milhões para campanhas do PT ao longo de oito anos à solução de um litígio de R$ 390 milhões entre a empresa e a Cerb. “Ficou combinado entre eles que, se recebesse R$ 290 milhões, esse valor certamente seria dividido em anos, porque não seria de forma imediata, e eles, o André [Vital], o [Benedicto] Junior e o Marcelo [Odebrecht] estariam dispostos a fazer uma contribuição do valor de R$ 30 milhões ao longo do tempo para campanhas que viessem a ter”, sugere Melo Filho, citando nominalmente Rui Costa, à época chefe da Casa Civil de Wagner, como o responsável, por parte do governo da Bahia, para cumprir a resolução da demanda judicial – que se arrastaria desde a década de 1990. “O governador estabeleceu que esse assunto seria tratado pelo secretário Rui Costa, que viria a ser candidato ao governo, e o André Vital foi quem tratou com o senhor Rui Costa”, explicou o delator.

Fonte:Bahianoticias.com

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here